Páginas

domingo, 23 de abril de 2017

DESENCARNE DE ENTES QUERIDOS (mude sua visão sobre a morte)





Quando a morte ceifa nas vossas famílias, arrebatando,
sem restrições, os mais moços antes dos velhos, costumais
dizer: Deus não é justo, pois sacrifica um que está forte e
tem grande futuro e conserva os que já viveram longos anos
cheios de decepções; pois leva os que são úteis e deixa os
que para nada mais servem; pois despedaça o coração de
uma mãe, privando-a da inocente criatura que era toda a
sua alegria.

Humanos, é nesse ponto que precisais elevar-vos acima
do terra-a-terra da vida, para compreenderdes que o
bem, muitas vezes, está onde julgais ver o mal, a sábia
previdência onde pensais divisar a cega fatalidade do destino.
Por que haveis de avaliar a justiça divina pela vossa?

Podeis supor que o Senhor dos mundos se aplique, por mero
capricho, a vos infligir penas cruéis? Nada se faz sem um
fim inteligente e, seja o que for que aconteça, tudo tem a
sua razão de ser. Se perscrutásseis melhor todas as dores
que vos advêm, nelas encontraríeis sempre a razão divina,
razão regeneradora, e os vossos miseráveis interesses se
tornariam de tão secundária consideração, que os atiraríeis
para o último plano.

Crede-me, a morte é preferível, numa encarnação de
vinte anos, a esses vergonhosos desregramentos que pungem
famílias respeitáveis, dilaceram corações de mães e
fazem que antes do tempo embranqueçam os cabelos dos
pais. Frequentemente, a morte prematura é um grande benefício
que Deus concede àquele que se vai e que assim se
preserva das misérias da vida, ou das seduções que talvez
lhe acarretassem a perda.

Não é vítima da fatalidade aquele
que morre na flor dos anos; é que Deus julga não convir
que ele permaneça por mais tempo na Terra.

É uma horrenda desgraça, dizeis, ver cortado o fio de
uma vida tão prenhe de esperanças! De que esperanças
falais? Das da Terra, onde o liberto houvera podido brilhar,
abrir caminho e enriquecer?

Sempre essa visão estreita,
incapaz de elevar-se acima da matéria. Sabeis qual teria
sido a sorte dessa vida, ao vosso parecer tão cheia de esperanças?

Quem vos diz que ela não seria saturada de amarguras?
Desdenhais então das esperanças da vida futura,
ao ponto de lhe preferirdes as da vida efêmera que arrastais
na Terra? Supondes então que mais vale uma posição elevada
entre os homens, do que entre os Espíritos bem-aventurados?

Em vez de vos queixardes, regozijai-vos quando praz a
Deus retirar deste vale de misérias um de seus filhos. Não
será egoístico desejardes que ele aí continuasse para sofrer
convosco?

Ah! essa dor se concebe naquele que carece de fé
e que vê na morte uma separação eterna. Vós, espíritas,
porém, sabeis que a alma vive melhor quando desembara-
çada do seu invólucro corpóreo.

Mães, sabei que vossos
filhos bem-amados estão perto de vós; sim, estão muito
perto; seus corpos fluídicos vos envolvem, seus pensamentos
vos protegem, a lembrança que deles guardais os transporta
de alegria, mas também as vossas dores desarrazoadas
os afligem, porque denotam falta de fé e exprimem uma
revolta contra a vontade de Deus.

Vós, que compreendeis a vida espiritual, escutai as pulsações
do vosso coração a chamar esses entes bem-amados
e, se pedirdes a Deus que os abençoe, em vós sentireis
fortes consolações, dessas que secam as lágrimas; sentireis
aspirações grandiosas que vos mostrarão o porvir que o
soberano Senhor prometeu.

– Sanson, ex-membro da Sociedade Espírita de Paris (1863)

-fonte: O Evangelho Segundo o Espíritismo, cap. V
Perda de pessoas amadas. Mortes prematuras —

Irmãos da Nova Era Espírita

quinta-feira, 6 de abril de 2017

É DOLOROSA A SEPARAÇÃO DA ALMA E DO CORPO?

Resultado de imagem para corpo e alma


— Não; o corpo, freqüentemente, sofre mais durante a vida que no momento da morte; neste, a alma nada sente. Os sofrimentos que às vezes se provam no momento da morte são um prazer para o Espírito, que vê chegar o fim do seu exílio.

Comentário de Kardec: Na morte natural, que se verifica pelo esgotamento da vitalidade orgânica em conseqüência de idade, o homem deixa a vida sem perceber: é uma lâmpada que se apaga por falta de energia.

Como se opera a separação da alma e do corpo?

— Os liames que a retinham, sendo rompidos, ela se desprende.

a) A separação se verifica instantaneamente, numa transição brusca?

Há uma linha divisória bem marcada entre a vida e a morte?

— Não; a alma se desprende gradualmente e não escapa como um pássaro cativo subitamente libertado. Os dois estados se tocam e se confundem, de maneira que o Espírito se desprende pouco apouco dos seus liames; estes se soltam e não se rompem.

Comentário de Kardec: Durante a vida, o Espírito está ligado ao corpo pelo seu envoltório material ou perispírito; a morte é apenas a destruição do corpo, e não desse envoltório que se separa do corpo, quando cessa a vida orgânica. A observação prova que no instante da morte o desprendimento do Espírito não se completa subitamente- ele se opera gradualmente, com lentidão variável, segundo os indivíduos. Para uns é bastante rápido, e pode dizer-se que o momento da morte é também o da libertação que se verifica logo após. Noutros, porém, sobretudo naqueles cuja vida foi toda material e sensual, o desprendimento é muito mais demorado e dura, às vezes alguns dias semanas e até mesmo meses, o que implica a existência no corpo de nenhuma vitalidade, nem a possibilidade de retorno á vida. mas a simples persistência de uma afinidade entre o corpo e o Espírito, afinidade que está sempre na razão da preponderância que, durante a vida, o Espírito deu à matéria. É lógico admitir que quanto mais o Espírito estiver identificado com a matéria, mais sofrerá para separar-se dela. Por outro lado. a atividade intelectual e moral, a elevação dos pensamentos operam um começo de desprendimento, mesmo durante a vida corpórea e quando a morte chega, é quase instantânea. Este é o resultado dos estudos efetuados sobre os indivíduos observados no momento da morte. Essas observações provam ainda que a afinidade que persiste, em alguns indivíduos, entre a alma e o corpo é às vezes, muito penosa, porque o Espírito pode experimentar o horror da decomposição. Este caso é excepcional e peculiar a certos gêneros de morte, verificando-se em alguns suicídios.

A separação definitiva entre a alma e o corpo pode verificar-se antes da cessação completa da vida orgânica?

— Na agonia, às vezes, a alma já deixou o corpo, que nada mais tem do que a vida orgânica. O homem não tem mais consciência de si mesmo, e, não obstante, ainda lhe resta um sopro de vida. O corpo é uma máquina que o coração põe em movimento. Ele se mantém enquanto o coração lhe fizer circular o sangue pelas veias e para isso não necessita da alma.

No momento da morte, a alma tem, às vezes, uma aspiração ou êxtase, que lhe faz entrever o mundo para o qual regressa?

— A alma sente, muitas vezes, que se quebram os liames que a prendem ao corpo, e então emprega todos os seus esforços para os romper de uma vez. Já parcialmente separada da matéria, vê o futuro desenrolar-se ante ela e goza por antecipação do estado de Espírito.

O exemplo da larva, que primeiro se arrasta pela terra, depois se fecha na crisálida, numa morte aparente, para renascer numa existência brilhante, pode dar-nos uma idéia da vida terrena, seguida do túmulo e por fim de uma nova existência?

— Uma pálida idéia. A imagem é boa, mas é necessário não torná-la ao pé da letra, como sempre afazeis.

Que sensação experimenta a alma, no momento em que se reconhece no mundo dos Espíritos?

— Depende. Se fizeste o mal com o desejo desfazê-lo, estarás, no primeiro momento, envergonhado de o haver feito. Para ajusto, é muito diferente: ele se sente aliviado de um grande peso porque não receia nenhum olhar perquiridor.

O Espírito encontra imediatamente aqueles que conheceu na Terra e que morreram antes dele?

— Sim, segundo a afeição que tenham mantido reciprocamente. Quase sempre eles o vêm receber na sua volta ao mundo dos Espíritos e o ajudam a se libertar das faixas da matéria. Vê também a muitos que havia perdido de vista durante a passagem pela Terra; vê os que estão na erraticidade, bem como os que se encontram encarnados, que vai visitar.

Na morte violenta ou acidental, quando os órgãos ainda não se debilitaram pela idade ou pelas doenças, a separação da alma e a cessação da vida se verificam simultaneamente?

— Geralmente é assim; mas, em todos os casos, o instante que os separa é muito curto.

Após a decapitação, por exemplo, o homem conserva por alguns instantes a consciência de si mesmo?

— Freqüentemente ele a conserva por alguns minutos, até que a vida orgânica se extinga de uma vez. Mas muitas vezes a preocupação da morte lhe faz perder a consciência antes do instante do suplício.

Comentário de Kardec: Não se trata, aqui, senão da consciência que o supliciado pode ter de si mesmo como homem, por meio do corpo, e não como Espírito. Se não perdeu essa consciência antes do suplicio, ele pode conservá-la por alguns instantes, mas de duração muito curta, e a perde necessariamente com a vida orgânica do cérebro. Isso não quer dizer que o períspirito esteja inteiramente desligado do corpo, mas pelo contrário, pois, em todos os casos de morte violenta, quando esta não resulta da extinção gradual das forças vitais, os liames que unem o corpo ao períspirito são mais tenazes, e o desprendimento completo é mais lento.
Autor desconhecido

quarta-feira, 29 de março de 2017

COMO DEVEMOS CUIDAR DE QUEM ESTÁ MUITO PRÓXIMO DA MORTE







A jornada na Terra sempre chega ao fim. Algumas vezes é necessário que o processo da velhice, doença e morte seja acompanhada de perto por alguém.
Esta pessoa pode ser você, que terá a responsabilidade de garantir o respeito, a dignidade e o conforto físico de seu parente amado.
Acredito eu que não exista gesto mais nobre de amor. Tenho a certeza que também não existe momento mais oportuno para o aprendizado e para a vivência espiritual.
Muitas pessoas sentem-se desconfortáveis frente à morte. Mas, acredite, para o espírito é um momento belo e grandioso. Este texto tem a missão de desmistificar a morte, facilitar sua vida ao lado da pessoa que se prepara para partir e te ajudar a viver plenamente o amor que existe dentro de você (sem medo e sem receio).
Se este texto for útil para você, será para outras pessoas. Portanto, te convido a divulgar o link deste texto.

"A separação da alma e do corpo é dolorosa?
— Não; o corpo, frequentemente, sofre mais durante a vida que no momento da morte; neste, a alma nada sente. Os sofrimentos que às vezes se provam no momento da morte são um prazer para o Espírito, que vê chegar o fim do seu exílio.

No momento da morte, a alma tem, às vezes, uma aspiração ou êxtase, que lhe faz entrever o mundo para o qual regressa?
— A alma sente, muitas vezes, que se quebram os liames que a prendem ao corpo, e então emprega todos os seus esforços para os romper de uma vez. Já parcialmente separada da matéria, vê o futuro desenrolar-se ante ela e goza por antecipação do estado de Espírito."

Allan Kardec - O Livro dos Espíritos

Ajudar alguém nos últimos meses ou anos é uma das maiores responsabilidades que alguém pode ter. Sob certos aspectos é bem mais difícil que criar uma criança. A criança coleciona conquistas, o idoso ou o doente coleciona dificuldades. Mas, porém, virão conquistas; conquistas para o espírito e para o amadurecimento pessoal. Nesta fase os grandes ganhos não são exteriores, são interiores.
Tenha claro esta realidade: há muito aprendizado nos últimos anos de vida.

E mais, são alguns dos aprendizados mais importantes para o futuro do espírito.
Uma criança nasce e aprende a falar e a andar. São ganhos que parecem grandes, mas que se perdem com o falecimento. Já os aprendizados dos últimos anos são realmente centrais para o espírito. Por exemplo: uma pessoa muito orgulhosa, ao se ver necessitada de ajuda, descobriu na humildade a paz que lhe faltou por toda a vida. Ela dizia: "Meu Deus, porque não aprendi a viver assim antes?" Não aprendeu antes, mas aprendeu quando as limitações físicas se fizeram mais fortes.

Alguém poderia dizer; "antes tarde do que nunca". Quem conhece a vida espiritual sabe que NUNCA é tarde para esta transformação positiva. Esta transformação será muito importante por décadas e séculos.
Por isto, não fique tão triste com as perdas que acompanham a velhice e as doenças. São oportunidades únicas. São oportunidades importantíssimas.

Primeiro porque "tira de cima da pessoa" o peso da sociedade. A sociedade é uma prisão brutal para grande parte das pessoas. Somos orgulhosos, esta é a verdade. São raríssimos os seres humanos que não são orgulhosos. A doença e as limitações da idade jogam por terra grande parte das vaidades, orgulho e desejo de ser aceito (os místicos dizem: tudo desaba). É um choque que coloca o ego da pessoa lá embaixo; algumas até deprimem. Mas, a queda do ego é a porta aberta para a emersão do que é realmente importante para o espírito.

São bilhões de pessoas que tem na velhice e nas doenças as últimas oportunidades para realizar seu progresso espiritual.
Importante: aprenda a olhar para a pessoa amada como um espírito que dá os últimos passos e que tem as últimas oportunidades de realizar conquistas nesta vida (nesta encarnação).

O corpo perde, mas o espírito pode ganhar. O corpo vai finalizar, mas a vida espiritual ainda é longa. Por isto, tranquilize-se com as perdas. Tenha serenidade para acompanhar estas perdas. Cuide com carinho, mas treine-se para o desligamento. Aceite cada passo que a natureza der; traga conforto e use sempre um diálogo espiritualizado para facilitar o entendimento e a superação das dificuldades.

Treine com a mensagem de Jesus: "seja feita a Sua vontade". Nada é perda, tudo é transformação. Tenha paciência, porque você é apenas alguém que acompanha uma trajetória que é muito pessoal e especial - a trajetória do seu ente querido até a libertação do corpo.

Veja a morte como saudade para quem fica e liberdade para quem vai. É uma libertação, porque chegará um momento em que os aprendizados serão pequenos; este é o momento de voltar para a vida espiritual.

Autor: Regis Mesquita – Blog Nascer Várias Vezes

COMUNICAÇÃO COM PARENTES DESENCARNADOS. Quando podemos nos comunicar com nossos entes queridos?







Não podemos precisar, em termos temporais, quando será possível receber mensagens dos entes queridos que nos precederam no desencarne. Alguns fatores influem decisivamente na capacidade dos Espíritos se comunicarem com seus parentes na Terra. Entre eles, destacamos o estado de perturbação do Espírito após a morte, o merecimento dos envolvidos, as condições do médium e a utilidade providencial desta comunicação.

Em O Livro dos Espíritos, no capítulo que trata sobre a volta do Espírito à vida espiritual finda a vida corpórea, os Benfeitores da Codificação orientam que, após deixar o corpo, a alma experimenta um estado de perturbação que varia em grau e em duração, de acordo com a elevação do Espírito: “aquele que já está purificado, se reconhece quase imediatamente, pois que se libertou da matéria antes que cessasse a vida do corpo, enquanto que o homem carnal, aquele cuja consciência ainda não está pura, guarda por muito mais tempo a impressão da matéria” (questão 164).
Esta perturbação se dá pela necessidade que tem a alma de entrar em conhecimento de si mesma, para que a lucidez das ideias e as memórias lhe voltem. Allan Kardec afirma: “muito variável é o tempo que dura a perturbação que se segue à morte. Pode ser de algumas horas, como também de muitos meses e até de muitos anos” (comentário à questão 165, de O Livro dos Espíritos). Logo, este é um fator preponderante ao se avaliar a possibilidade de comunicação destes Espíritos com os parentes encarnados.

Outra questão a ser considerada é a do merecimento. No ensaio que desenvolveu sobre a pluralidade das existências (Parte Segunda - Capítulo V - O Livro dos Espíritos), Allan Kardec afirma que “cada um será recompensado segundo o seu merecimento real”. Neste caso, devemos não somente avaliar o merecimento dos entes que ficaram na Terra em receber mensagens, mas também o merecimento dos que desencarnaram em se dirigirem aos seus entes queridos, informando-lhes sobre sua situação no Plano Espiritual.
Podem interferir ainda na possibilidade de comunicação as condições dos médiuns. Orienta-nos Kardec que “alguns médiuns recebem mais particularmente comunicações de seus Espíritos familiares, que podem ser mais ou menos elevados; outros se mostram aptos a servir de intermediários a todos os Espíritos” (item 275 de O Livro dos Médiuns). Há de se levar em consideração, portanto, as relações de simpatia e antipatia entre médium e Espírito comunicante.

A utilidade das comunicações é outro ponto importante. Em várias circunstâncias, nas Obras Básicas, encontramos a justa colocação dos Espíritos para que observemos se há um fim útil naquilo que desejamos. Nesta mesma lógica, somente teremos a possibilidade de receber uma mensagem de entes queridos se for necessário, e não para atender a curiosidade ou outras motivações que não revelem grandeza de alma.
Como podemos perceber, há uma série de fatores a serem considerados. Porém, isso não é impedimento para que as comunicações aconteçam. Os próprios Espíritos narram a felicidade que sentem por serem lembrados por nós e a alegria em se comunicar, situação em que podem informar sobre sua nova situação no Plano Espiritual. “A possibilidade de nos pormos em comunicação com os Espíritos é uma dulcíssima consolação, pois que nos proporciona meio de conversarmos com os nossos parentes e amigos, que deixaram antes de nós a Terra. (...) A Doutrina Espírita nos oferece suprema consolação, por ocasião de uma das mais legítimas dores. Com o Espiritismo, não mais solidão, não mais abandono: o homem, por muito insulado que esteja, tem sempre perto de si amigos com quem pode comunicar-se” (comentário de Allan Kardec à questão 935 de O Livro dos Espíritos).

As mensagens de entes queridos desencarnados, pois, funcionam como uma prova incontestável da realidade da vida após a morte do corpo físico, demonstrando de forma inequívoca que os laços de afetividade persistem no Mundo Espiritual. Além disso, servem como consolação àqueles que permanecem no campo da vida, estimulando-os às conquistas dos valores da eternidade, para o breve reencontro com os que lhe precederam no Plano Maior da Vida.

Por fim, lembramos que não somente as mensagens mediúnicas possibilitam estas bênçãos. Uma situação muito oportuna para entrarmos em relação com nossos entes queridos é durante o desprendimento da alma pelo sono. Afirmam-nos os Espíritos da Codificação que “é tão habitual o fato de irdes encontrar-vos, durante o sono, com amigos e parentes, com os que conheceis e que vos podem ser úteis, que quase todas as noites fazeis essas visitas” (questão 414 de O Livro dos Espíritos). No entanto, para que isso aconteça, mais do que o simples fato de querer, quando desperto, é preciso evitar que as paixões nos escravizem e nos conduzam, durante o sono, a campos menos felizes da experiência espiritual.

Retirado do site OSGEFIC

segunda-feira, 13 de março de 2017

MÉDICOS REGISTRAM ATIVIDADE CEREBRAL 10 MINUTOS APÓS A MORTE"DE PACIENTE:




Foto RexMais


Existe vida após a morte? A ciência ainda não consegue responder essa pergunta, mas os médicos de uma Unidade de Tratamento Intensivo no Canadá dizem que um paciente mostrou níveis de atividade cerebral “persistente” após a morte.

A atividade foi detectada 10 minutos após a hora da morte.

Os médicos confirmaram a morte pela ausência de pulso e falta de reação das pupilas, mas o paciente ainda parecia ter “picos de ondas delta” no cérebro, semelhante ao que ocorre durante o sono.

A equipe da Universidade de Western Ontario disse: “Nesse paciente, as ondas delta persistiram após a cessação do ritmo cardíaco e da pressão arterial”.

Os pesquisadores admitem que não há explicação biológica para a continuidade dessa atividade cerebral vários minutos após o coração ter parado de bater, segundo o Science Alert.




Os pesquisadores disseram que “é difícil, pressupor uma base fisiológica para essa atividade cerebral, dado que ela ocorreu após uma prolongada perda de circulação”.

“Essas atividades também poderiam ser fruto de erro humano, embora uma fonte arte factual não tenha sido identificada”.

Rob Waugh

quinta-feira, 2 de março de 2017

A MORTE É UMA ILUSÃO? NOVO ESTUDO SUGERE QUE SIM!


post-02-20-1Após a morte de seu velho amigo, Albert Einstein disse: “Besso partiu deste mundo estranho um pouco antes de mim. Mas isto não significa nada. Pessoas como nós… sabe que a distinção entre passado, presente e futuro é apenas uma ilusão obstinadamente persistente”.
Novas evidências continuam sugerindo que Einstein estava certo – a morte é uma ilusão.
Nosso modo de pensar clássico baseia-se na crença de que o mundo tem uma existência objetiva independente do observador. Mas uma longa lista de experimentos mostra exatamente o oposto. Pensamos que a vida é apenas a atividade do carbono e uma mistura de moléculas em que nós vivemos por algum tempo e depois apodrecemos no chão.
Acreditamos na morte porque nos ensinaram que morremos. Além disso, é claro que associamos com o nosso corpo e sabemos que os corpos morrem. Fim da história. Mas o biocentrismo, uma nova teoria de tudo, nos diz que a morte não é o evento final que pensamos. Surpreendentemente, adicionando vida e consciência à equação, você pode explicar alguns dos maiores enigmas da ciência. Por exemplo, fica claro por que o espaço e o tempo e até mesmo as propriedades da própria matéria dependem do observador. Também se torna claro porque as leis, forças e constantes do Universo parecem ser requintadamente ajustadas para a existência da vida.
Até que reconheçamos o Universo em nossas cabeças, as tentativas de entender a realidade permanecerá um caminho para lugar nenhum.
Considere o tempo “no lado de fora”: Você vê um céu azul, mas as células em seu cérebro poderiam ser mudadas para identificar o céu como verde ou vermelho. De fato, com um pouco de engenharia genética, poderíamos fazer com que tudo o que é vermelho vibre ou faça barulho, ou até mesmo que você queira fazer sexo com alguns pássaros. Você pensa que a luz está brilhando, mas seus circuitos cerebrais podem ser alterados para que pareça escuro. Você sente que está quente e úmido, mas um sapo tropical vai sentir que está frio e seco. Essa lógica se aplica a praticamente tudo. Ponto principal: O que você vê não existe sem a sua consciência.
Na verdade, você não pode ver nada através do osso que envolve o seu cérebro. Seus olhos não são portais para o mundo. Tudo o que você vê e experimenta agora, até mesmo o seu corpo, é um turbilhão de informações que ocorre em sua mente. De acordo com o biocentrismo, o espaço e o tempo não são os objetos duros e frios que pensamos ser. Acene sua mão através do ar, se você tirar tudo, o que resta ? Nada. O mesmo se aplica ao tempo. Espaço e tempo são simplesmente ferramentas para unificar tudo.
Considere o famoso experimento de dupla fenda. Quando os cientistas observam uma partícula passar através de duas fendas em uma barreira, a partícula se comporta como uma bala e passa por uma fenda ou a outra. Mas se você não observar, ela age como uma onda e passa por ambas as fendas ao mesmo tempo. Então, como uma partícula pode mudar seu comportamento dependendo de você ver ou não ? A resposta é simples, a realidade é um processo que envolve a sua consciência.
Ou considere o famoso princípio da incerteza de Heisenberg. Se existe realmente um mundo lá fora, com partículas apenas saltando ao nosso redor, então devemos ser capazes de medir todas as suas propriedades. Mas não é possível. Por exemplo, a localização exata e o momento de uma partícula não pode ser conhecido ao mesmo tempo. Então por que deveria importar à uma partícula se você decide medi-la ? E como pode duas partículas entrelaçadas estarem conectadas instantaneamente mesmo estando em lados opostos da galáxia como se o espaço e o tempo não existissem ? Novamente, a resposta é simples: porque elas não estão “lá fora”, espaço e tempo são simplesmente ferramentas da nossa mente.
A morte não existe em um mundo sem tempo e sem espaço. A imortalidade não significa uma existência perpétua no tempo, mas residir completamente fora do tempo.
Nossa maneira linear de pensar sobre o tempo também é inconsistente conforme outra série de experimentos recentes. Em 2002, os cientistas mostraram que partículas de luz “fótons” sabiam antecipadamente o que seus gêmeos distantes fariam no futuro. Eles testaram a comunicação entre os pares de fótons. Deixaram um fóton terminar sua viagem, ele tinha que decidir se queria ser uma onda ou uma partícula. Os pesquisadores aumentaram a distância que o outro fóton levou para alcançar o seu detector. No entanto, eles poderiam adicionar um misturador para impedi-lo de colapsar em uma partícula. De alguma forma, a primeira partícula sabia o que o pesquisador iria fazer antes de acontecer e cruzava distâncias instantaneamente como se não houvesse espaço ou tempo entre elas. Ela decidiu não se tornar partícula antes que o seu gêmeo encontrasse o misturador. Não importa como criamos o experimento. Nossa mente e seu conhecimento é a única coisa que determina como elas se comportam. As experiências confirmam consistentemente que o resultado depende do observador.
Bizarro ? Considere outro experimento que foi recentemente publicado na prestigiada revista científica “Science” (Vincent Jacques et al, 315, 966, 2007). Cientistas na França fotografaram fótons em um aparelho e mostraram que o que eles faziam podia mudar retroativamente algo que já tinha acontecido no passado. À medida que os fótons passavam por um garfo no aparelho, eles tinham que decidir se se comportavam como partículas ou ondas quando atingiam um divisor de feixe. Mais tarde, bem depois que os fótons passaram pela bifurcação, o experimentador poderia alternar aleatoriamente um segundo divisor de feixes para ligado ou desligado. Acontece que o observador decidiu naquele momento determinar como a partícula realmente deveria agir na bifurcação no passado. Naquele momento, o experimentador alterou o passado da partícula.
Claro, vivemos no mesmo mundo. Os críticos afirmam que este comportamento é limitado ao mundo microscópico. Mas esta visão de “dois mundos” (isto é, um conjunto de leis físicas para pequenos objetos e outra para o resto do Universo, incluindo nós) não tem base na razão e está sendo desmentida em laboratórios ao redor do mundo. Há alguns anos atrás, pesquisadores publicaram um artigo na Nature (Jost et al., 459, 683, 2009) mostrando que o comportamento quântico se estende ao mundo cotidiano. Pares de íons de vibração foram forçados a se entrelaçar, de modo que suas propriedades físicas permaneceram unidas mesmo quando estavam separados por grandes distâncias (“ação assustadora à distância”, como disse Einstein). Outras experiências com moléculas enormes chamadas “Bolas de Bucky” também mostram que a realidade quântica se estende além do mundo microscópico. Em 2005 os cristais de KHC03 exibiram cumes de entrelaçamento de meia polegada de altura, comportamento quântico cutucando o mundo comum de objetos na escala humana.
A vida é uma aventura que transcende nosso modo linear comum de pensar. Quando morremos, nós não o fazemos na matrix da bola de bilhar aleatória, mas na matrix inescapável da vida. A vida tem uma dimensionalidade não linear, é como uma flor perene que retorna a florescer no multiverso.
“As influências dos sentidos na maioria dos homens dominaram a mente na medida em que as paredes do espaço e do tempo passaram a parecer sólidas, reais e intransponíveis. E a leviandade destes limites no mundo é um sinal de loucura”. ~Ralph Waldo Emerson
©Robert Lanza (publicou extensivamente em revistas científicas líderes. Seu livro “Biocentrismo: Como a vida e a consciência são as chaves para a compreensão verdadeira da natureza do Universo” expõe o argumento científico para sua teoria de tudo.
OBS: Com o objetivo de facilitar a leitura a maioria dos links estão acionando a tradução do google, caso alguém deseja ver o texto original é só clicar no botão “original”.
Tradução e Divulgação: A Luz é Invencível ☼

Seguidores